O Dia da Democracia

Dia 25 de outubro marca importantíssima data, à todos que são avessos ao totalitarismo, a ditaduras, tanto de esquerda quanto de direita, pelo Dia da Democracia, da liberdade do ser e do ter, dependente desse modelo de escolher os representantes políticos de um país e de governar.

 

A origem desse regime é da Grécia antiga, há 560 A.C., e a sua criação aponta para dois nomes, dos reformadores – Sólon ou Clistenes, o que para nós não faz diferença, o que vale é o fundamento democrático e o seu significado ou seja, é um governo onde o poder emana do povo, pelo povo e para o povo.

 

Isso é que devemos entender e praticar constantemente, primando pela alternância no governo, como era em Atenas, o representante político escolhido, por sorteio, tinha um mandato de um ano e não podia ser reeleito. A ideia era de que todos os cidadãos, em rodizio, tivessem o direito de poder servir o estado.

 

O que os gregos praticavam há 2.600 anos da nossa era, atualmente parece uma utopia, porque o sentido democrático mudou e pra pior, porque o povo elege mas não escolhe ninguém, quem escolhe são os partidos, e os eleitos em esmagadora maioria, governam para si e para grupos, e não para o povo. Logo posso afirmar que o poder emana do partido, pelo partido e para os eleitos, o povo só participa pelo voto, para dar a aparência democrática.

 

Apesar de todos os pesares, ainda é melhor esse ar democrático, do que qualquer ditadura!

 

Oxalá, um dia tenhamos representantes escolhidos e eleitos pelo povo, com uma ajuda de custo única, sem penduricalhos, sem o direito de reeleição, para garantida da renovação constante no poder, afastando do indivíduo político, o espírito de propriedade do estado, da rês pública, sendo utilizada aos interesses individuais e não da coletividade.

 

 Para pensar:  Parafraseando Péricles, concluo: “Assim como nossa vida política deve ser aberta e livre, também deve ser o nosso dia a dia e nossas relações, uns com os outros.”