O Tropeiro Serrano foi Camperear no Céu!

O Brasil regionalista está enlutado, porque se foi tocar gaita, tropa e cantar na querência maior, junto de seu irmão Honeyde, o grande Aledar Bertussi, sendo mais um dos nossos que se juntam na tertúlia da Estância do Infinito, fazendo brilhar no céu gaúcho outra estrela serrana.

A dupla artística Irmãos Bertussi, foram os pioneiros nos fandangos com musicalidade própria e duas gaitas, amostrando autenticidade e muito carisma. Aonde estavam os bertussis tocando, estava o Rio Grande das tradições, dos versos rimados, das mensagens campeiras e humanas, com verdade, alegria e emoção.

Adelar nasceu em São Jorge da Mulada, distrito da Criúva, em 15 de fevereiro de 1933 e faleceu dia 30 de setembro de 2017, teve a música e o campo como vida e escola, e fez escola como acordeonista, hoje destacam-se vários artistas no cenário regionalista gaúcho com seu estilo. Era um grande estudioso e executante de acordeom, passeava do popular ao clássico com a mesma destreza, toda via foi no regionalismo gaúcho que fez fama em dupla com o irmão Honeyde, com quem em 1950 saiu mundo a fora, alegrando os corações.

Em 84 anos de vida, podemos dizer que passou 80 tocando, graças ao seu pai que muito cedo pôs a família a serviço da arte, que lhe rendeu uma carreira exitosa, com mais de seis mil apresentações, quatrocentas músicas gravadas em diversos estilos e teve tempo ainda, para dar aula de gaita e escrever um método de estudo para o acordeom.

Merecidamente foi homenageado por diversos municípios gaúchos e paranaenses com a titulação de cidadania, agraciados pelos amigos inaugurou o monumento Irmãos Bertussi na porteira da sua estância, teve sua vida registrada em diversos livros, inclusive em filme documentário intitulado O Tropeiro da Música Gaúcha.

Não tive o privilégio de ir a um fandango com eles, mas tive o privilégio de abrir o desfile das nações nos Estados Unidos em New York, ao lado do Adelar, que garbosamente vestia a faixa do expoente maior do Brasil no evento, amadrinhado pelo atual deputado estadual Barbosa Velho, carregando a bandeira norte americana e eu a bandeira brasileira.

Naquele pago, marchando na 5ª Avenida, deu para reconhecer o homem ilustre, simples, de alta nobreza espiritual que foi Adelar Bertussi, que nunca escondeu o sorriso e as lágrimas da emoção, de uma alma satisfeita com seus feitos e orgulhosa de ser brasileira, com um coração que bombeou 84 anos no peito o que ele escreveu e cantou assim: ” Sangue de gaúcho, velho sangue de bravor, sangue de gaúcho, sempre teve o seu valor…” A Deus Adelar Bertussi!

Para pensar: Viver pensando em Si, é não ter Dó da alma, Adelar viveu como o Sol.