Viva a República

Como é sabido no dia 15 de novembro comemora-se o Dia da República no Brasil, proclamada em 1889 pelo Marechal Deodoro da Fonseca, e que não representava a ideia de um Estado democrático, estatuas que desde então, entre altos e baixos, só fomos atingir em 1985 com a eleição de Tancredo Neves, quando infelizmente assumiu o vice-presidente, José Ribamar Sarnei.

De lá pra cá não precisamos nos aprofundar nos acontecimentos, que bem ou mal a mídia popularizou, quem tinha 20 anos na época, hoje vivendo nos 50, sabe ou devia saber muito bem o que passou.

Sinceramente não podemos nos queixar da Forma de Governo implantada no país que significa a República, e sim dos homens que a conduziram até aqui, a maioria preferiu fazer na coisa pública o que fazem na privada!

Nos anos dos petistas, que chegaram ao poder jurando liberdade democrática, justiça social, honestidade, (por isso os ajudei), levou-nos a vivenciar a sórdida manobra de mudança de República Democrática para uma República Socialista antidemocrática, (por isso parei de ajuda-los), onde um partido age em nome do Estado ideologizado, tomado em suas entranhas por agentes comprometidos a essa ordem e claro cheios de privilégios, tão combatidos por eles mesmos em campanhas eleitorais, em cortina de fumaça.

Toda via, sem falar no impeachment, afirmo que a esquerda brasileira conquistou o poder prometendo endireitar o Brasil e cumpriu fielmente sua promessa, devolvendo-o para a direita.

Aos que estão paulatinamente reassumindo nossa herança republicana e ao povo em especial, lembramos que o termo “república” tem origem no latim, vem de res publica, que significa “coisa do povo”. E que os fundamentos da república, gravados na constituição no artigo primeiro diz o seguinte: A República Federativa do Brasil é formada pela união indissolúvel dos Estados, Distrito Federal e Municípios.

Diz ainda que a República constitui-se em um Estado Democrática de Direito, fundamentado no princípio republicano, segundo o qual o povo é representado por governantes eleitos por meio do voto, para mandato por tempo determinado como responsáveis na gestão da coisa pública, texto que bem podia ser “para mandato na gestão responsável da coisa pública”. O segundo princípio é o princípio federativo, no qual o Brasil é uma união de entes federativos dotados de certo grau de autonomia política e jurídica, texto que bem podia se destacar como, “estados federados dotados com autonomia política e jurídica”. O terceiro princípio é o princípio democrático, sendo o Brasil um Estado Democrático de Direito, regido pelas leis e pela democracia. Estado de Direito, todos estão submetidos às leis elaboradas pelos representantes do povo, inclusive o próprio Estado (acrescentaria – e seus gestores), e a democracia é regime de governo por meio do qual as decisões políticas são tomadas pelo povo, tanto de forma direta como indireta.

Por tanto, que no dia 15 de novembro nos lembremos de todos esses preceitos e gravemos bem na mente, para que nas próximas eleições, possamos distinguir os espíritos republicanos democratas, dos ditadores de qualquer ordem.

Para pensar: Uma República decente, moral e socialmente justa, é a que promove e aplica Lei para todos, sem exceção!